STJ considera cobrança de custo de capatazia no cálculo de impostos indevida

Ir em baixo

STJ considera cobrança de custo de capatazia no cálculo de impostos indevida

Mensagem  Admin em Seg Out 01, 2018 1:21 pm

Prática leva importadores a recorrer ao Poder Judiciário para evitá-la

O Superior Tribunal de Justiça (STJ) reconheceu como indevida a inclusão do custo de capatazia no cálculo de impostos em operações de importação. Mas essa prática continua, o que leva importadores a recorrer ao Poder Judiciário para evitá-la, alerta a advogada Fernanda Nogueira.

Para nacionalizar uma mercadoria trazida do exterior, é preciso registrar a declaração de importação e recolher os respectivos tributos, que variam conforme o produto importado e a quantidade.

A Instrução Normativa nª 327/2003, da Receita Federal, estabelece que se computem os gastos com capatazia no valor aduaneiro, portação. As base de cálculo do PIS/Confins – Importação e do Imposto de Importação. As despesas se referem a questões relacionados ao manuseio das cargas depois que os produtos chegam a um porto nacional.

Esta determinação interna derrespeita os limites previstos pelo Acordo de Valoração Aduaneira e pelo Decreto 6.759/09, os quais mencionam que os gastos a serem computados no valor aduaneiro referem-se às despesas com carga, descarga e manuseio das mercadorias importadas até o porto alfandegado e não nele, como no caso da capatazia, destacou Fernanda Nogueira, sócia do escritório Machado Nogueira Advogados.

Segundo a advogada, a instrução normativa da Receita não deveria prever esse tipo de cobrança. A legislação federal ue se sobrepõe À instrução normativa fala expressamente que os custos da capatazia não integram a base de cálculo do valor aduaneiro. Por uma simples verificação de regulamentação, você consegue identificar como a Receita Federal está cobrando isso indevidamente.

Justiça

Fernanda explica que a Justiça tem confirmado a ilegalidade da prática. “Desde 2016, o entendimento dos tribunais é de que a capatazia não íntegra o valor aduaneiro para fins de composição da base de cálculo do valor aduaneiro. Afirmou.

O STJ também, em acordão de abril do ano passado, firmou o entendimento de que os § 3º do art 4º da Instrução Normativa viola diversos artigos do Acordo de Valoração Aduaneira quanto do Regulamento Aduaneiro, ao permitir que as despesas relativas à descarga de mercadoria, ocorridas após a chegada ao porto alfandegado ou local de importação, fossem considerados na base de cálculo do Imposto de Imortação, diz.

A especialista alerta que os importadores que se sentirem lesados devem recorrer à Justiça para evitar as cobranças indevidas e reaver o dinheiro gasto nos últimos cinco anos. Em alguns casos, sobretudo para as empresas com volume de importações marítimas significativo, os valores chegam a ser consideráveis. Até porque a exclusão do valor da capatazia da base de cálculo do Imposto de Importação também reduz as bases de IPI, PIS/Cofins-Importação. AFRMM (Adicional ao Frete para Renovação da Marinha Mercante) e ICMS.
Procurada a Receita Federal informou que não comentar a questão.

Fonte : A Tribuna (B.Comexleis)

Admin
Admin

Mensagens : 1142
Data de inscrição : 01/08/2011

Ver perfil do usuário http://gscomex.forumeiros.com

Voltar ao Topo Ir em baixo

Voltar ao Topo

- Tópicos similares

 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum